Num jardim ou horto biológico, as palavras-chave são equilíbrio e prevenção. Se o ecossistema do nosso jardim estiver em harmonia, não há necessidade de se preocupar com ataques de pragas. No entanto, quando algo se descontrola e temos de controlar um deles, o ideal é sempre optar pela alternativa mais sustentável e amiga do ambiente.

Os inseticidas naturais são eficazes?

Sim, desde que saibamos como utilizá-los!

Elaborámos este guia com tudo o que precisa para escolher o inseticida bio certo e aprender a usá-lo.

inseticidas Planeta Huerto

Tipos de inseticidas utilizados na agricultura biológica

Óleo de parafina como inseticida biológico

Este é um óleo mineral autorizado para utilização em agricultura biológica. O óleo de parafina deixa uma película protetora cuja elevada persistência assegura a sua ação inseticida prolongada.

O óleo de parafina é recomendado para controlar afídeos, ácaros (ácaro vermelho, ácaro amarelo, etc.), mosca-branca e cochonilhas.

Pode ser utilizado em hortícolas, citrinos, árvores de fruta de caroço e pomóideas, oliveiras, bananeiras e plantas ornamentais lenhosas.

Extrato de cavalinha 

O extrato de cavalinha (Equisetum arvense), decocções ou extratos concentrados puros são ricos em sílica e enxofre e servem como bioestimulante para o crescimento das plantas e como repelente contra afídeos e ácaros-aranha.

A cavalinha também tem propriedades fungicidas e atua como um fungicida polivalente. Além disso, pode ser utilizado em todos os tipos de culturas.

Extrato de urtiga

O extrato de urtiga é um bom fortificante orgânico, estimula o crescimento das plântulas e atua como inseticida contra os afídeos e como acaricida contra os ácaros. Pode ser utilizado em todos os tipos de culturas e é também considerado um fungicida natural preventivo.

Piretrinas naturais

As piretrinas são uma mistura de compostos orgânicos naturais naturalmente presentes em algumas flores, tais como crisântemos (Chrysanthemum cinerariaefolium e Chrysanthemum coronarium).

As piretrinas naturais são pesticidas de contacto, ou seja, têm de entrar em contacto com a praga e podem ser usadas para combater as principais pragas dos pomares, tais como afídeos, moscas-brancas, cochonilhas, trips, lagartas e traças (em fases iniciais). São também considerados como acaricidas, com efeitos sobre ácaros, tais como ácaros-aranha.

Os bioinseticidas com piretrinas naturais na sua composição são dos mais eficazes e procurados na agricultura biológica, pois são muito eficazes e não deixam resíduos no ambiente, uma vez que as suas moléculas são fotossensíveis, pelo que se decompõem aproximadamente 24-48 horas após terem sido expostos à luz solar.

Inseticidas com piretrinas naturais podem ser utilizados em todos os tipos de culturas, incluindo ornamentais e bonsai. 

Solução de potássio ou sabão potássico

Solução de potássio, também conhecida como sabão de potássio ou sabão preto. Este produto provém de um processo chamado saponificação, que consiste numa reação química de um corpo gordo como os óleos naturais e uma base, neste caso potássio.

A solução de potássio é classificada como um produto de limpeza agrícola polivalente e é utilizada na agricultura biológica para diferentes fins. Para além da sua ação de limpeza, atua também como inseticida de contacto sendo adequado para o controlo de pragas muito comuns como moscas-brancas, pulgões e cochonilhas.

Atua por contacto, amolecendo a cutícula destas pragas e sufocando-as. O sabão de potássio é adequado para todos os tipos de plantas e é também considerado um fertilizante, visto que fornece potássio (K) que pode ser assimilado pelas plantas.

Terra de diatomáceas

A terra diatomácea é derivada de algas unicelulares fossilizadas de várias formas e tamanhos, compostas principalmente de dióxido de silício amorfo.

Devido à sua estrutura natural, a terra diatomácea atua fisicamente e por contacto com um efeito de secagem.

A utilização de terra de diatomáceas tornou-se generalizada na agricultura e na criação de animais. Contudo, a sua eficácia ainda não foi totalmente demonstrada e as provas científicas disponíveis indicam o seu potencial como inseticida contra pragas de cereais armazenados.

Dependendo da origem das minas das quais se extrai terra de diatomáceas, para além do dióxido de silício, pode também conter outros minerais tais como magnésio, sódio, ferro, fósforo, enxofre, zinco, manganês e outros oligoelementos.

Óleo de Neem

O óleo de neem ou extrato de neem é um inseticida natural extraído das sementes dos frutos da árvore do neem (Azadirachta indica), o seu ingrediente ativo é a azadirachtin.

Em particular, o óleo de neem é um inseticida cujo ingrediente ativo atua por contacto direto e ingestão. Inibe o desenvolvimento de fases imaturas (larvas e pupas), mas também tem um efeito anti-alimentação, repelente, sexualmente confuso e inibidor da oviposição nas fêmeas.

É polivalente sendo indicado para o controlo das principais pragas de pomares, incluindo pulgões, cigarrinhas, moscas-brancas, besouros, escaravelhos, lagartas, trips, traças, ácaros e cochonilhas. Pode ser utilizado em todos os tipos de culturas ao ar livre e em estufa.


Referências consultadas

Korunic, Zlatko. (2013). Diatomaceous Earths - Natural Insecticides. Pesticidi i fitomedicina. 28. 77-95. 10.2298/PIF1302077K.

García, D. ; Gonçalvez, R.H. ; Mazzuferi, V.E. ; Tablada, M. Efectividad y persistencia de la tierra de diatomeas en el control de Sitophilus zeamais (Coleoptera: Curculionidae) en semillas de maíz y su incidencia sobre la calidad. MAPA - Boletín de Sanidad Vegetal - Plagas, 2006, 32(3):363-371

Romaní, Carlos. La Fertilidad de la Tierra Revista de Agricultura Ecológica, ISSN: 1138-6193. Ministerio de la Agricultura, Pesca y Alimentación - MAPA.