A menta é uma planta que há séculos atrai a atenção do Homem: aromática e medicinal, a nível científico, mas afrodisíaca e mágica, a nível esotérico. Um bom companheiro de jardim... que não devemos tirar os olhos de cima!

O cultivo da Menta

As espécies mais comuns para o cultivo são a hortelã-pimenta (Mentha piperita) e a hortelã-da-índia (Mentha spicata). São as mais fáceis de encontrar e resistem muito bem a condições adversas, por isso são a melhor opção para aqueles que a cultivam pela primeira vez. Além disso, maio e junho são dois bons meses para plantar as sementes, portanto aproveite!


Cuidados básicos

É uma planta que dá várias colheitas por ano - entre duas e três - por isso tem um grande rendimento para a pouca atenção que requer.

Mais do que cuidado, a menta requer algum controle, pois, apesar das suas grandes virtudes, é uma espécie invasora, que cresce horizontalmente e se multiplica muito rapidamente. A solução é muito simples: dedique um vaso largo (cerca de 20-30 cm de diâmetro) apenas para a hortelã, ou plante-o debaixo de uma árvore, para compensar esta "competição". Portanto, a nível associativo, é melhor cultivá-lo sozinho.

Tipo de solo ou substrato 

O paraíso da menta é um solo fértil, rico em nutrientes (húmus) e húmido. Um bom substrato e muito espaço vão fazê-lo crescer a um ritmo que o vai surpreender. Uma exposição moderada ao sol - por isso também é bom plantar perto de uma árvore - e uma boa rega, para manter a humidade (que requer também uma boa drenagem) irá garantir o seu crescimento.

No inverno, recomenda-se cortar a parte superficial, e até cobri-la, para protegê-la das geadas. Quando chega a primavera, brota de novo como se não houvesse amanhã.

Apesar de se adaptarem relativamente bem à maioria dos solos, não suportam aqueles que os impedem de crescer: solos calcários, desequilibrados em termos de nutrientes e, o pior de tudo, muito secos e com muitas pedras. Raízes não se podem espalhar à vontade em tal solo.

Propagação da Menta

A vantagem de cultivarmos as nossas próprias sementes é que conhecemos a sua qualidade em primeira mão (não é o caso se obtivermos a sua planta de um corte ou rizoma). Quando as sementes tiverem prosperado, podemos continuar a multiplicar a hortelã de três maneiras:

Sementes

O processo mais lento, por isso só é recomendado para a primeira plantação.

Divisão dos arbustos

Em Abril e Setembro-Outubro os velhos arbustos podem ser puxados para cima e cortados em vários pedaços, que rapidamente voltamos a plantar e regamos com abundância.

Rizomas

Os rizomas são caules subterrâneos utilizados pela planta para a reprodução. Abril é uma boa altura para remover os arbustos velhos e cortar os rizomas em pedaços de 3-5 cm. Os melhores são, naturalmente, os mais desenvolvidos (aqueles com mais raízes). Uma vez cortados, coloque 4-5 rizomas em buracos de 5 cm de profundidade, separados por 30-40 cm, cubra-os, e água!


Usos da Menta

  • É um grande repelente de formigas e pulgões, e cheira muito bem! Sabias que os romanos e os gregos o usavam como ambientador em casamentos e grandes festas?
  • Pode ser colhido após 3-5 meses de cultivo. Para isso, cortamos os caules mais tenros nos dias de bom tempo, sempre pela manhã, quando o orvalho desaparece (que é quando as plantas têm mais conteúdo essencial nas suas folhas).
  • Pode ser usado para aliviar dores de cabeça (no passado dizia-se que era bom para o trabalho intelectual) e, sobretudo, problemas de estômago: facilita o processo digestivo e é um bom tratamento para o vómito.
  • As folhas de hortelã (que são as que contêm os ingredientes ativos), mastigadas, matam as bactérias que produzem o mau cheiro e refrescam o hálito. Por que tomar chiclete, quando você pode tomar o produto original?
  • O mentol que contém ajuda o sistema respiratório. Podes esfregá-lo no peito (não te soa familiar?) Acabou-se o congestionamento!
  • Também é usado para fazer chá, poejo, pelas suas propriedades vitamínicas, para acalmar dores musculares e dar massagens... Na medicina tradicional, a menta é muito utilizada. Conhece outros usos? Além dos mojitos, é claro!

Se nunca usou a hortelã como tratamento, é aconselhável (como com qualquer coisa que não sabemos, como um medicamento) informar-se sobre possíveis contra-indicações ou mau uso, especialmente para crianças, idosos ou mulheres grávidas.