Os pulgões são insectos homópteros que sugam a seiva das plantas. Aparecem em grandes quantidades e é comum que se associem com formigas, pois elas se alimentam da substância açucarada (melaço) que os pulgões segregam e assim, também, são protegidos de seus predadores/ inimigos naturais. 


São pequenos, de poucos milímetros, e sua morfología é variada: normalmente são redondos ou ovais. Podem ser de várias cores: verde, amarelo, vermelho, preto... Podem ter asas ou não, dependendo da espécie, e apresentam duas gerações: uma de fêmeas partenogênicas (se reproduzem sem a necessidade de serem fecundadas por machos) que se dedicam a aumentar a a população até o final do período favorável, e uma segunda geração, mixta de machos e fêmeas.

Os pulgões, que nem a maioria de insectos sugadores, se posicionam no reverso das folhas, nos estómatos, onde a parede celular é muito fina para facilitar o intercâmbio de O2 e CO2, devido a essa finura é mais fácil atacar a planta desde alí. O feixe, por outra parte, é totalmente impermeável e por tanto inacessível para o pulgão. Por tanto, para vigiar a possível presença de pulgão em nossa horta, devemos olhar o reverso das folhas, e assim poderemos prevenir e apanhar qualquer invasão a tempo.

Como o pulgão afeta as minhas plantas?

O pulgão suga e se alimenta da seiva das plantas roubando sua água e nutrientes, o que as deixa enormemente fracas. Mas este não é o principal agravo, e sim o melaço que é segregado para subornar as formigas, e que este caldo de cultivo de vários fungos e bactérias. Esse caldo de cultivo é o que pode trazer sérios problemas e inclusive matar nossa planta.

Por que o pulgão implicou com a minha horta?

Se aparece pulgão em excesso, é hora de nos perguntar: o que estamos fazendo de errado? Provavelmente estaremos errando em alguma práctica, já seja déficit ou excesso de rega, de adubo líquido (excesso de nitrogênio), temporada inadequada, falta ou excesso de sol, baixa biodiversidade (monocultivos, a panacéia da debilidade)... O ponto central é que o pulgão é um sintoma de debilidade da planta, a causa de qualquer destas razões. Por tanto, o primeiro passo será identificar e depois corrigir.

Como prevenir a praga do pulgão

A prevenção contra uma praga se baseia em fazer as coisas direito: uma rega adequada à planta e ao clima, um adubo orgânico sólido de liberação lenta, considerar os calendários de cultivo recomendados, orientar correctamente nossa horta para obter as horas de sol necessárias e principalmente elevar ao máximo possível a biodiversidade, plantando o maior número de plantas possíveis e sabendo a compatibilidades entre elas. Isso fortalecerá a resistência da nossa horta a todo tipo de pragas e doenças, possibilitando também a vida de uma maior variedade de bichos benéficos.

Também é importante que vigiemos. Quanto mais observarmos o estado de saúde de nossas plantas, olharmos o reverso das folhas e sua vigorosidade, menor será o risco de padecer qualquer praga e mais eficiente será a retirada manual.

Lembre que o objetivo não é eliminar completamente o pulgão, e sim evitar que nossa horta sofra danos sem enchê-la de insecticidas nem produtos químicos agressivos. Um pouco de pulgão não faz mal, devemos buscar o equilíbrio do agroecossistema!


Tratamentos ecológicos contra o pulgão

Se os métodos preventivos falham e as a quantidade de pulgão corre o risco de aumentar cada vez mais, provavelmente vamos ter que usar algum produto ecológico de proteção ante pragas que ajude à planta a combater ao parasita, deter e eliminar a praga.

O ideal sería retirar o pulgão de forma manual, sendo a técnica mais inocua. Pode ser feito se é pouco o pulgão que nos invade e muita a nossa paciência, porém isso é algo complicado pois trata-se de um insecto muito pequeno e sua retirada minuciosa.

Um dos produtos mais eficientes na luta contra o pulgão é a solução potássicaque têm a propriedade de amolecer o exoesqueleto dos insectos até o ponto de deixá-los muito fracos até a morte, além disso, é um produto natural e inócuo para a saúde.


Aproximadamente uma hora depois de usar o sabão de potássio, é muito eficiente aplicar também o óleo de neem, que é um insecticida natural extraído do fruto da árvore de neem, que age perante uma ampla gama de pragas como: mosca branca, minador, aranha vermelha, trips, pulgão, piolho, escaravelho da batata, percevejo... A acção conjunta de sabão de potássio e neem fazem com que o tratamento seja ainda mais eficiente


Depois da solução potássica e do óleo de neem, pode-se aplicar também um produto para eliminar o melaço, que é um atraente extremadamente eficiente de fungos e bactérias pernicioso para a planta. Esse produto também têm desinfectantes que protegem a planta e eliminam fungos e bactérias.

Outra opção também válida é utilizar produtos já preparados que são completamente ecológicos e que combatem a maioria das pragas que podem atacar-nos, como os que usam a técnica da homeopatía, que dilui um insecticida até o infinito deixando somente uma traça deste e que é totalmente inócua porém eficiente na luta contra os insectos. Também há produtos baseados únicamente em essências vegetais protectoras.


Como solução caseira também funciona é usar o alho triturado e diluído em água e aplicado na planta inteira. É uma defesa contra todo tipo de insectos e fungos.

A intenção do pulgão não é má

O pulgão não é malvado, ele existe na natureza em consonância e harmonía sempre e quando o homem não desajuste a balança. Então força, sempre temos coisas par aprender da natureza e manter o equilíbrio ecológico da nossa horta pode ser um êxito digno de muito alegría.