O que é o adubo verde?

Os adubos verdes são plantas que não se cultivam para obter uma fruta mas sim para executarem uma função de fertilizante natural. Este não é nenhuma novidade uma que vez era o método naturalmente usado pelas diferentes civilizações da história.

As várias funções do adubo verde dependem principalmente do tipo de planta que usamos, mas todos partilham o mais importante.

Um solo melhor

A maioria dos adubos verdes têm raízes profundas que arejam e tornam o solo menos compacto e, além disso, por causa da profundidade das suas raízes, dissolvem elementos minerais do subsolo e melhoram a sua fertilidade quando os trituramos e incorporamos no solo. Por isso é que os adubos verdes não se arrancam mas sim se cortam!

Mas acima de tudo, o maior benefício que é suposto incluir adubos verdes entre as rotações das nossas culturas, é uma propriedade que têm as espécies pertencentes à família das leguminosas de fixar o nitrogénio atmosférico, aumentando reservas de nitrogénio no solo, um dos mais necessários nutrientes para o crescimento das plantas, ficando disponível para as colheitas futuras.

Esta propriedade deve-se à simbiose entre as raízes de leguminosas (ervilhaça, trevo, alfafa, ervilhas, feijões, ...) com uma bactéria (Rhizobium leguminosarum) que forma nelas uma espécie de nódulos, onde se produz o intercâmbio amigável de ácidos orgânicos da planta pelo nitrogénio fixado na forma de amónio pelas bactérias.

Uma capa protetora

Para manter bons cuidados na nossa horta, nunca devemos deixar o seu solo exposto por longos períodos de tempo. Este objectivo pode ser alcançado pela mata que proporcionam os adubos verdes, formando uma cobertura de vegetação densa que impede a evaporação, protege o solo contra a erosão do vento e da chuva, e impede que a radiação solar excessiva que mataria a população microbiana do nosso solo.

Adeus ervas-daninhas

Ao serem muito densos, os adubos verdes evitam a concorrência das ervas daninhas e impedem o seu crescimento e limpando o solo. Durante os nossos cultivos, podemos cultivar uma cultura de adubo verde entre as linhas para reduzir o esforço no momento de arrancar as ervas-daninhas.

Alguns exemplos de adubos verdes


Ervilhaca (Vicia sativa)

  •  Os nódulos das raízes armazenam nitrogénio que se incorpora no solo quando as trituramos

  •  Forma uma camada de húmus que facilita a vida microbiana.

  •  Sufoca a concorrência devido à sua alta taxa de crescimento e densidade.

Mostarda Branca (Sinapis alba)

  •  As raízes ajudam a melhorar a estrutura do solo.

  •  Retém nitratos

  •  Inibe o crescimento de certas bactérias.

  •  Restitui reservas orgânicas do solo quando enterrada.


Centeio (Secale cereale)

  • As raízes captam a água e mantêdo-a a pouca profundidade

  • Liberta ácido butírico durante a decomposição, que imobiliza as larvas de nemátodos nocivos

  • Bloqueia o crescimento de ervas daninhas.


Informação sobre como semeá-los

Todos os adubos verdes são semeados atirando as sementes na respectiva época. Após a germinação, crescem mais rápido do que ervas daninhas e num par de meses depois já formam uma densa cobertura que protege o solo contra vários fatores nocivos. Chegados os 3 ou 4 meses de vida, há que cortar as plantas antes da frutificação, deixando-as no local por cerca de 8 dias até secarem. Aí juntamos-las ao solo, enterrando-as superficialmente.

Os tipos de adubo verde mais adequados de acordo com a época de plantio


 Primavera: Mostarda
 Verão: Mostarda branca, centeio, ervilhaca
 Outono: Centeno
 Inverno: Veza

O aubo verde, além de ser uma cultura revitalizante para o solo, tendo em conta todos os efeitos positivos que tem sobre ele, também é fácil de crescer e pode servir de pausa ou descanso para o agricultor quando em férias ou depois de um tempo de grande atividade na horta, uma vez que estas culturas exigem pouca supervisão e cuidado. O ponto é não ter a horta vazia.